quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Homenagem ao Poeta

Olá! Depois de um bom tempo sem atualizações, hoje não teve jeito. Me senti na obrigação de postar no blog um poema do maior poeta brasileiro de todos os tempos, o nosso inestimável, genial e mineiro Carlos Drummond de Andrade. 

Aproveito o momento e parabenizo o também poeta e sociólogo Bruno Dias Bento, aqui de Teófilo Otoni - MG, que coordenou um belo evento no dia de ontem, na praça Tiradentes, denominado Declame para Drummond, disponibilizando vários poemas no coreto da praça para a população em geral. 

Iniciativas como esta precisam ser sempre apoiadas e incentivadas pelo poder público, orgãos e/ou associações culturais, afinal a cultura é a identidade de um povo. 

Sobre poema do Drummond, veja que bela homenagem o poeta fez para sua terra natal.


Um abraço.


A palavra Minas


Minas não é palavra montanhosa
É palavra abissal
Minas é dentro e fundo
As montanhas escondem o que é Minas.
No alto mais celeste, subterrânea,
é galeria vertical varando o ferro
para chegar ninguém sabe onde.
Ninguém sabe Minas. A pedra
o buriti
a carranca
o nevoeiro
o raio
selam a verdade primeira,
sepultada em eras geológicas de sonho.
Só mineiros sabem.
E não dizem nem a si mesmos o
irrevelável segredo
chamado Minas.

(Carlos Drummond de Andrade)
 

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Música do Vale do Mucuri

Amigos (as) do blog, abaixo segue a letra da música do Tau Brasil, que ele fez em homenagem ao nosso querido e amado Vale do Mucuri. 

Quem quiser a música em áudio é só deixar o e-mail nos comentários que eu mando ok? Abraços.


VALE DO MUCURI
(Tau Brasil)


Subindo a estrada Rio - Bahia chão de Minas, mais uma curva
Terra a vista é meu lugar. A gente sente logo um cheiro
Diferente, o tempo é quente o corpo vai se acostumar.


São tantas pedras nessas bandas, fora as que foram
Arrancadas nesse chão, o povo canta, o povo dança,

Numa folia, num batuque um São João.


(Refrão)
Minas na divisa com a Bahia vixi-maria meu Vale do Mucuri.
Sou “mineirando” gente boa “baianeiro” em junho ou janeiro

Eu to chegando por aí.


Sossega homem que em Teófilo Otoni à direita a gente segue
Pela estrada do boi, vem Ataleia, Carlos Chagas e Nanuque,

Serra dos Aimorés e logo Minas já se foi.


Se for ao meio Novo Oriente de Minas, Pavão, Águas Formosas
E Machacalis é ali, vou dar um pulo em Bertópolis, e volto por

Santa Helena de Minas e aldeia Maxacali.


(Refrão)
Minas na divisa com a Bahia vixi maria meu Vale do Mucuri.
Sou “mineirando” gente boa “baianeiro” em junho ou janeiro

Eu to chegando por aí.


Virando a esquerda vem Poté, Malacacheta, Ladainha, Catuji,
Itaipé e Caraí, por outro lado Pescador e Campanário,

Umburatiba, Franciscópolis e Itambacuri.


Ainda faltam Setubinha e Crisólita, Fronteira dos Vales,
Ouro Verde e Frei Gaspar. Esse recanto tem seu jeito

Seu encanto, ali é onde Minas é mais próxima do mar.


(Refrão)
Minas na divisa com a Bahia vixi-maria meu Vale do Mucuri.
Sou “mineirando” gente boa “baianeiro” em junho ou janeiro

Eu to chegando por aí.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Feliz 2012!!

"O amor não prende, liberta! Ame porque isso faz bem a você, não por esperar algo em troca. Criar expectativas demais pode gerar decepções. Quem ama de verdade, sem apego, sem cobranças, conquista o carinho verdadeiro das pessoas."
(Chico Xavier)


Que neste ano de 2012 todas as nossas realizações e conquistas tenham uma dose certa de suor, gentileza, atenção, colaboração, respeito, generosidade, atenção, coragem e amor.


Que nunca nos falte a sabedoria necessária para buscarmos o melhor de nós em cada dia deste ano novo que se anuncia... Que 2012 seja próspero, feliz e inesquecível!

Um abraço a todos que acompanham o blog e boas festas.   

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Papo de futebol em MG

Na terça feira (06/12/2011), após a última rodada do brasileirão, um cruzeirense e um atleticano estavam conversando.

Cruzeirense: Moço, cê sabia que o Cruzeiro fez um gol pra cada dia da semana no clássico?

Atleticano: Mas como cê é burro hein! O Cruzeiro venceu por 6 x 1... Então, ficou faltando um gol.

Cruzeirense: Tá certo sim meu freguês. É que na semana dos cruzeirenses não tem SEGUNDA.
 
 
Confira abaixo o massacre azul.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

O que está por trás da presença da PM na USP

*Artigo produzido pelo Centro Universitário de Pesquisas e Estudos Sociais (CeUPES), o centro acadêmico do curso de Ciências Sociais da FFLCH/USP. Este texto foi aprovado em Assembleia de Curso dos estudantes de Ciências Sociais da FFLCH/USP


Os recentes conflitos ocorridos na Universidade de São Paulo entre estudantes e policiais militares exigem uma reflexão aprofundada que vai muito além da questão do uso de drogas no campus, ou simplesmente da presença da Polícia Militar no ambiente universitário. O que se está discutindo não pode ser resumido a “baderna de maconheiros”, e tampouco às palavras de ordem contra a PM. Estão em jogo diferentes concepções de universidade.

                                                                 Estudantes jogam flores para os policiais...
Quando estudantes, professores e funcionários da USP protestam contra a presença da PM no campus Butantã, não estão pretendendo que a USP seja uma “ilha da fantasia”, ou um território acima da lei, como alegam alguns. Muito pelo contrário, esperam que a universidade seja o espaço de elaboração de novas práticas, inclusive no que diz respeito à segurança pública. 

O conhecimento produzido na USP, entretanto, tem sido ignorado como forma de resolver os problemas de segurança que estão sendo enfrentados, e tudo que a PM traz ao ambiente universitário contradiz frontalmente esse potencial inovador, com velhas práticas autoritárias, truculentas e discriminatórias.

                                                 ... e eles transformam o campus universitário em praça de guerra.

O que mais agrava este quadro, e deve saltar aos olhos daqueles que esperam da PM uma resposta para os crimes violentos, é a crescente tentativa de normatizar o comportamento estudantil: mais do que reprimir o uso de drogas, os policiais têm feito perguntas que dizem respeito à vida acadêmica e às opiniões políticas dos estudantes, tais como “você está matando aula?”, “você é contra a presença da PM no campus?”.

Portanto, quando se diz que a atuação da PM vem ferindo a autonomia universitária, não se trata de um discurso datado, mera paranoia remanescente da ditadura. Trata-se, sim, de uma preocupação legítima com a ingerência da instituição militar sobre assuntos que dizem respeito tão somente à comunidade acadêmica, tais como o desempenho escolar ou – o que é ainda mais grave – as opiniões políticas. Soma-se a isso o fato de diversos estudantes e trabalhadores sofrerem processos administrativos por conta de sua atuação política de resistência aos projetos da Reitoria.

Não é preciso remontar à ditadura para lembrar casos de repressão policial à organização política dos professores, estudantes e trabalhadores da USP – isso também aconteceu em 2009, quando a Tropa de Choque não se contentou em dispersar uma passeata nos arredores do campus e perseguiu os manifestantes até o prédio de História e Geografia. A repetição acontece como farsa: quatrocentos militares para retirar os cerca de setenta ocupantes da Reitoria e impedir moradores de sair do Conjunto Residencial da USP.

                                                              Atualizando: Tira o Mano Menezes e a PM.

O problema de segurança na universidade é muito mais complexo do que a Reitoria parece acreditar, e não pode ser solucionado com a militarização do ambiente universitário. Por outro lado, é preciso que as reivindicações do movimento estudantil avancem para além das palavras de ordem meramente reativas: a segurança deve resultar de maior circulação no campus, com a abertura da Cidade Universitária à comunidade. Além disso, aspectos muito práticos do cotidiano universitário seguem sendo sumariamente ignorados pela administração da USP, tais como a iluminação, a frequência dos ônibus e circulares e uma reestruturação da Guarda Universitária. São medidas simples, aparentemente bastante banais, mas que melhorariam muito a segurança da universidade, sem a necessidade do recurso à força.

Uma coisa é certa: no dia 18 de maio deste ano, quando morreu o estudante Felipe Ramos de Paiva, a PM já estava no campus, revistando carros de estudantes. De lá para cá, aumentou seu efetivo, mas não aumentou a segurança – a sede do centro acadêmico da ECA, por exemplo, foi recentemente invadida e furtada, sem que a presença da PM tenha servido para impedir a ação. Aumentaram, isto sim, as abordagens invasivas e provocações a estudantes. Como isso pode ajudar a prevenir assaltos, estupros e assassinatos?

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Petição Pública

Recebí o convite do meu amigo Leonardo Nogueira (@leowinehouse13) para assinar uma Petição Pública e, por a causa ser bastante nobre, estendo o convite para todos vocês. 

Vamos ajudar a reduzir e, quem sabe um dia, acabar com essa enorme e gritante desigualdade social que temos em nosso país. 

Então que comecemos pela Educação!
Abaixo o link para assinar a Petição Pública.




Meus Amigos (as); 

Acabei de ler e assinar o abaixo-assinado online:


«"EDUCAÇÃO 10": 10% DO PIB E 50% DO FUNDO SOCIAL DO PRÉ-SAL PARA A EDUCAÇÃO»"


http://www.peticaopublica.com.br/?pi=une10 


Eu concordo com este abaixo-assinado e acho que você também pode concordar. Assine o abaixo-assinado e divulgue para seus contatos. Vamos juntos fazer democracia!

Obrigado, 
Humberto Saboya 

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Dica Cultural

Pessoal, para quem gosta de um bom teatro, teremos neste fim de semana em Teófilo Otoni duas apresentações do Grupo In Cena. A peça é muito boa e sobre o Grupo de teatro In Cena eu nem preciso falar nada não é!



Informações do evento:

Dias: 24 e 25 de Setembro

Horário: 20:30 horas

Local: Auditório da CDL

Valor: R$ 20,00 (Inteira) R$ 10,00 (Meia)

Classificação: 14 anos

Texto e direção: André Luiz Dias

Não percam! Abraços.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Ex Isto

Olá pessoal! Sempre que posso, gosto de procurar algumas novidades ou mesmo achar uns filmes alternativos pela net. 

Abaixo segue o trailer de um filme que parece ser muito interessante. Não encontrei na web disponível para download, mas se alguém encontrar, deixe um comentário com o link para compartilharmos ok!?



Título Original: Ex Isto
Gênero: Ficção
Diretor: Cao Guimarães
Produção: Brasil
Distribuição: Itaú Cultural
Classificação Indicativa: 14 anos
Duração: 86 min.

Sinopse: Um filme livremente inspirado na obra Catatau, de Paulo Leminski. O poeta imaginou uma hipótese histórica: - E se René Descartes tivesse vindo ao Brasil com Maurício de Nassau? Interpretado por João Miguel, o personagem envereda-se pelos trópicos, selvagem e contemporâneo, sob o efeito de ervas alucinógenas, investigando questões da geometria e da ótica diante de um mundo absolutamente estranho.
 
 
Espero que gostem!
Abraços. 




Um título pouco importa


Certa vez perguntaram ao poeta:

— Mas para que serve a poesia?
Ele responde olhos nos olhos:
— Para você, nada...






Escrevemos cada vez mais 
para um mundo cada vez menos”

    (Alberto da Cunha Melo)

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Tempo, dinheiro e obras

Hoje o governo chinês inaugurou a maior ponte do mundo sobre o mar. 
Coisa cinematográfica!! Mas o que mais me chamou a atenção, foi o tempo e o custo da obra.




Enquanto no Brasil temos inúmeras obras inacabadas, com desvios de recursos e superfaturamento por parte de muitos (algumas demoram décadas como no caso da rodovia transnordestina) a China dá este grande exemplo de organização e compromisso com o dinheiro público ao finalizar esta obra.






Sendo assim, vamos aos números:

Tamanho da ponte: 36,48 km
Tempo da construção da obra: Início de 2007 à julho de 2011
Custo da obra: 14,8 bilhões de yuans (cerca de R$ 3,6 bilhões).

Está sendo discutido no congresso nacional propostas de modelos para as licitações das obras de nossos aeroportos e estádios, além das obras estruturantes nas vias de acesso aos estádios nas cidades-sede para a copa do mundo e para as olimpíadas. 

Quem sabe algum deputado (a), senador (a) ou mesmo o executivo federal não dê como exemplo esta obra chinesa, onde tudo saiu conforme o planejado, respeitando todos os prazos previstos e sem desvio de recursos e/ou corrupção. É esperar pra ver...


Abraços.

sábado, 25 de junho de 2011

Eficiência nos gastos públicos

E mais um recurso volta aos cofres da União... Esta é uma triste e trágica realidade vivida por milhares de municípios brasileiros. Infelizmente a maioria dos prefeitos do Brasil não colocam como prioridade em suas plataformas de governo a gestão qualificada e eficiente, além da alocação correta dos investimentos feitos em suas respectivas cidades.

Muitos se preocupam e conhecem os principais problemas do município, entretanto as ações são ineficazes, não existindo, em vários municípios mineiros como também de todo Brasil, uma equipe técnica qualificada, capaz de suprir a demanda de serviços e problemas que a população enfrenta, através de projetos que consigam assegurar os recursos e investimentos necessários.

Enquanto o chefe do executivo municipal ficar se preocupando apenas com a próxima eleição ou com problemas secundários e de menor importância, nenhuma grande alteração acontecerá de fato na sociedade. Já está mais do que na hora das prefeituras começarem a se organizar de forma mais eficaz, buscando uma gestão que priorize os grandes investimentos, sobretudo nas áreas de maior carência dos municípios.



Planejamento, coordenação, modernização e o aperfeiçoamento da máquina pública culminam em menos despesas para o município e uma melhor prestação de serviços à população, gerando assim um círculo virtuoso onde todo trabalho está voltado para a máxima eficiência e eficácia dos gastos, evitando desperdícios, combatendo as fraudes e desvios de recursos.

A legislação brasileira avança no sentido de tornar cada vez menores ou mesmo inexistentes práticas imorais, ilegais e desonestas, como a Lei de Responsabilidade Fiscal no ano de 2000 e, mais recente, a Lei do Ficha Limpa em 2010, que foi votada, aprovada e sancionada graças ao clamor da sociedade brasileira, porém de nada adianta se não tivermos a cultura organizacional bem formulada e implantada dentro do planejamento de gestão, pois assim teremos governos voltados exclusivamente para as necessidades reais e latentes da população.

Fica a pergunta: O prefeito (a) de sua cidade faz uma boa gestão? Se sim, parabéns, se não, 2012 se aproxima.